exa 01 by Ed




exa 02


Set Fire to Flames - Fukt Perkusiv/Something About Bad Drugs, Schizophrenics and Grain Silos

(todas as imagens neste blog são da autoria de Edgar Libório, usadas com permissão)

   

<< May 2012 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05
06 07 08 09 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31

song of my typewriter:

the best way to think is not at all-
my banjo screams in the brush
like a trapped rabbit (do rabbits
scream? never mind: this is an
alcoholic dream);
machine guns, I say,
the altarboys,
the wet nurses,
the fat newsboys,
rubber-lipped delegates
of the precious life;
my banjo screams
sing
sing through the darkened dream,
green grow green,
take gut:
death, at last,
is no headache.

Charles Bukowski, The Days Run Away Like Wild Horses Over The Hills, Ecco/HarperCollins, 1969



links:

"borderline bipolar"
A Caixa
A liga de Murphy
arco-iris
Atravessando o Inverno
conFusão
dawning dusk
diário de um coma
Do Not Disturb
draeme
draemeX
edgarLIBÓRIO
espiral
groze's awkward world
invers o srevni
Linha Férrea
Maps
lonely gigolo
nocturno com gatos
o amanhecer das palavras
O Blog Piegas
O Desaparecido
Ossa et Cinera
Ou o poema contínuo
Outleir
Parafernália
Pila de Porco
Poemas da minha Avó
Poeta Vagabundo
polly maggoo
Que Estranha Forma de Vida
Rasgo Sentimental
round's blog
Silent Soul
sombras
Talvez Esperança
Thoughts...
Transformadores
Trilho
viagem de uma janela



If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



 
21.5.12
69
procuro um caranguejo
que se sente na minha cara
e me lamba o sexo

(devo despudorar e dizer

"e me lamba a cona", com o efeito de que se perceba, com a maior das clarezas, que sou mulher heterossexual, que tenho útero e vulva e vagina, não recear as palavras e dizer "cona", ter todas as línguas emocionais e intelectuais que me forem permitidas a lamber a "cona", a amar a "cona", mesmo que se trate - e trata-se - de um palavrão.)

um caranguejo que
se dê imenso, que me
ame com a língua e que me
fornique a boca, que
me magoe. não tenho
forças para acender nenhum
candeeiro e começa a ficar
noite neste lado do mundo.

tenho fígado e dois ovos no
frigorífico. e o fígado é do
talho. e os ovos são do
supermercado. e o meu
corpo é do supermercado
mas falta-lhe um amor
ou qualquer dádiva
(um girassol, porque não?)
desse tipo, que o faça iluminar-se
desde a boca até à nuca.
que o faça rebentar de
saliva e de líquidos e de
suor e de pálpebras intermitentes,
que limpe a casa das teias de
aranha e do pó, por uns
instantes. que me magoe a boca
com o sexo inchado,
cadente, incidente, mas,
se possível, que não me magoe
muito. só um pouco. com
o carinho possível e alguma
dedicação, para que a minha nuca
incandescente possa
fabricar e fingir

amor.
Posted at 06:23 pm by Cássio Almirante

 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry